O Turismo Humano

60 áfricas fascinantes, acolhedoras e enfeitiçantes...

Cruzamento dos antigos reinos vindos dos grandes impérios seculares de Mali e Gana, ponto de encontro dos homens do ouro, do marfim, do bronze e da terra moldada, encruzilhada dos povos das lagunas, da floresta e da savana, a Côte d'Ivoire é uma mosaica viva que, numa terra cheia de cores, soube preservar suas tradições, e vencer o desafio do modernismo.

Abidjan, "pérola das lagunas", é a prova concreta desta aposta dupla: capital econômica, ela lança para o céu suas torres futuristas de vidro e de aço, verdadeira Manhattan tropical; mas também Treichville, com seus milhares de butiques, sua música que ritma a vida no cair da noite; "Treich" a Africana onde convivem etnias do mundo inteiro, onde se acha de tudo. Botequins conceituados, que oferecem gambás ou "frango-bicicleta" assado na brasa, mercados deslumbrantes e sonoros, barulho grave dos dançarinos Dan nas calçadas...

É preciso também descobrir as cidades e as aldeias do interior e a beleza das arquiteturas tradicionais; vilas de barro Sénoufo, soukalas fortificadas dos Lobi, povoado lacustre de Tiagba, galpões sobre pilotis dos Dioulas, belas casas com impluvium no oeste...


Viver os momentos intensos das danças tradicionais, já que tudo aqui começa e acaba em fabulosos espetáculos: festa das gerações na aldeias Ebrié, Goli e Zaouli, no centro do país; festa das máscaras a Guiglo, o Niyogu a Boundiali, Koman a Odienné, o Homem de Perna de Pau ou a Dança da Faca a Man, os ritos e cerimônias dos reinados Indénié e Abron, cuidadosamente seguidos...
Estas manifestações são únicas. Elas só podem ser vistas em Côte d'Ivoire e são as marcas da criatividade marfinense, que exprima-se plenamente tanto no folclore quanto no artesanato, nas estátuas, nas máscaras.
Um magnífico país de roteiros onde todos os itinerários são possíveis, até os mais secretos...

Uma malha rodoviária única na África e confortáveis e charmosos hotéis também no interior permitam de percorrer a Côte d'Ivoire a partir do eixo Abidjan-Yamoussoukro, e, depois, de ficar no litoral após uma extraordinária viagem.


Um conjunto de roteiros, diversificados e complementares, fazem descobrir as múltiplas facetas da mosaica marfinense: do país Baoulé, coração da Côte d'Ivoire, até as florestas do Reino Agni no leste; do norte harmonioso dos Sénoufos até as altas montanhas do país Yacouba, no oeste; dos antigos postos coloniais do litoral até as primeiras capitais, cujos vestígios e memória pertencem à história.
Então, "pé na estrada": este país se oferece inteiro àqueles que saberão descobri-lo e amá-lo.

O Reino Agni



O Reino Agni, ou Indénie, se desenvolve na grande floresta. Aqui, a história é irmã do maravilhoso, já que estes pequenos reinos possuem mil lendas: por que os moradores de Soko vivam junto com macacos sagrados? Qual é a história do rio de peixes sagrados de Sapia?
Em Abengourou, o Rei dos Agnis recebe na sua residência tradicional, erguida em 1882. Em Zaranou, um chefe Agni concede o privilégio de assistir com ele e sua corte às danças reservadas aos visitantes.
Os artesões Agnis realizam tapeçarias estilizadas (Abengourou), pequenas estátuas, objetos de bronze e roupas ricamente tecidas.


O País Baoulé

No limite entre floresta e savana, este povo de agricultores fez da região central o pulmão econômico do país. Nas encostas do Monte Kokoumbo Boka, subsistem ainda os garimpos de onde vinha o ouro que deu a prosperidade aos Baoulés e favoreceu o desenvolvimento de um artesanato muito refinado: Batiks, pesos Akan, estátuas da fecundidade, máscaras de madeira esculpida, jóias de ouro. Yamoussoukro: aldeia natal do falecido presidente Houphouët-Boigny. Capital administrativa e política desde 1983. A cidade é uma aposta; arquitetura futurista, mármore cor-de-rosa do Hotel President (rede Inter Continental), que domina um dos mais belos campos de golfe do mundo, universidades e grandes escolas... A basílica da floresta: extraordinária, de cortar o fôlego! É uma primeira mundial pelas dimensões, pelas tecnologias utilizadas e por seus imensos vitrais tradicionais. Nossa Senhora da Paz é um símbolo da fé, da paz e do turismo marfinense.


O País Sénoufo

No clima seco do norte, a terra vermelha da savana é pontuada de aldeias de casas arredondadas, com magníficas portas de madeira esculpida. É a região da harmonia, regida pelo Poro, a iniciação longa e complexa que, em sete anos, faz de uma criança um homem pleno.
Fora do bosque sagrado, é a aparição de máscaras extraordinárias, preocupantes ou engraçadas, sempre insólitas e acompanhadas do som melodioso dos balafons.
Mundialmente reconhecido, o artesanato Sénoufo é rico de seus tecidos pintados de Korhogo, de suas estátuas de linhas depuradas, de suas máscaras policromas e de sua louça de barro.


O País Yacouba

No oeste, na suavidade do clima montanhoso, é o surpreendente país dos Yacoubas, ou Dans. Man, a cidade das 18 montanhas, repousa num estojo de natureza e cachoeiras, com suas fabulosas pontes de cipó, cuja realização continua inexplicada. A fascinante seita do Gor, seus grandes iniciados que têm o poder de ficar invisíveis ou de metamorfosear-se em leopardos, os acrobatas mascarados que evoluem sobre imensas pernas de pau, as mocinhas que voam graciosamente por cima dos punhais afiados dos dançarinos...
Roupas tecidas, cestas, escultura de madeira, máscaras Dans são as principais produções artesanais do país Yacouba.

Voltar